Por Cristina Padiglione | Saiba mais
Cristina Padiglione, ou Padi, é paga para ver TV desde 1990, da Folha da Tarde ao Estadão, passando por Jornal da Tarde e Folha de S.Paulo
Tá bombando!

Oscar comete gafe histórica ao premiar o filme errado

“And The Oscar goes to….”: Todo o suspense carregado por esse anúncio sofreu um abalo histórico na noite deste domingo, quando Warren Beatty e Faye Dunaway anunciaram “La La Land” como filme vencedor, informação corrigida poucos minutos depois, quando os discursos dos vencedores já contemplavam lágrimas e menções aos familiares. Um dos supostos vencedores soube então que o troféu era, na verdade, destinado a “Moonlight”, e exibiu o cartão com o nome do concorrente: “Eu não estou brincando, vocês venceram”. “Eu não estava tentando ser engraçado”, explicou Warren Beatty, ao exibir o nome do verdadeiro vencedor. “Eu li ‘Emma Stone – La La Land’, e não entendi”, justificou. Por isso, na hora, estendeu o cartão para que Faye Dunaway, sua parceira no clássico “Bonnie and Clyde”, de 50 anos atrás, lesse o nome do vencedor, e ela seguiu o que viu: “La La Land”. A organização (ou desorganização) da cerimônia, entregou um envelope errado ao casal, com o nome da atriz vencedora, anunciado imediatamente antes do prêmio de Melhor Filme.

O fato é que Steve Harvey já pode apresentar o Oscar do ano que vem. Mestre de cerimônia do Miss Universo em 2015, ele chegou a colocar a coroa de vencedora na cabeça da Miss Colômbia, para depois informar que leu errado sua ficha: a coroa, na verdade, pertencia à Miss Filipinas. Harvey não só não perdeu o emprego – voltou a comandar o Miss Universo na edição seguinte -, como agora acaba inspirando o grande tropeço da história do Oscar.

Pena. As trolladas no perfil do Twitter de Donald Trump prometiam prevalecer como um dos grande momentos da premiação. Mas a gafe final há de marcar a edição, que rendeu 6 estatuetas a “La La Land”, incluindo a de melhor diretor para Damien Chazelle e de Melhor Atriz para Emma Stone.

Se a gente sempre suspeita que as “pegadinhas” do Oscar são devidamente ensaiadas, essa é a primeira que se pode creditar como grande falha. Entre o anúncio errado e sua correção, dois minutos e meio se passaram. Pelo menos três realizadores de “La La land” tiveram tempo de agradecer os pais, os filhos, o tio, estendendo seus discursos a toda a comoção que o momento pede. O mestre de cerimônias, Jimmy Kimmel, desculpou-se pelo ocorrido, muito constrangido, e prometeu não voltar no ano que vem. Os produtores de “La La Land” discursaram por mais tempo que os reais vencedores, que subiram ao palco igualmente constrangidos, sem nada compreender. Só faltou aparecer o João Kléber e ordenar ao câmera: “Para! Para! Para!”, denunciando uma espécie de flagrante.

Mais inofensiva foi a pegadinha que conduziu um grupo de turistas para dentro do teatro, promovendo surpreendentes encontros dos anônimos transeuntes com os maiores astros no cinema. Imagine caminhar pelas cercanias de Hollywood com sua câmera fotográfica e de repente esbarrar na Meryl Streep ou no Leonaro Di Caprio.

No mais, note-se que a categoria de Melhor Atriz agora ocupa a penúltima premiação da noite, imediatamente antes do prêmio de Melhor Filme, posto que antes cabia à categoria de Melhor Ator, transferida para o antepenúltimo lugar na fila. É um evidente sinal de valorização feminina, ou do tal “empoderamento”, como dizem. Agora, só falta equiparar os salários dos dois gêneros, queixa antiga das atrizes de Hollywood.

Aqui, o momento em que o prêmio trocou de mãos.

Confira abaixo a lista completa de vencedores

 

ATOR COADJUVANTE:

Mahershala Ali, “Moonlight: sob a luz do luar”

Jeff Bridges, “A qualquer custo”

Lucas Hedges, “Manchester à beira-mar”

Dev Patel, “Lion: Uma jornada para casa”

Michael Shannon, “Animais noturnos”

 

MAQUIAGEM E CABELO:

“Um homem chamado Ove”

“Star Trek: sem fronteiras”

“Esquadrão suicida”

 

FIGURINO:

“Aliados”

“Animais fantásticos e onde habitam”

“Florence: quem é essa mulher?”

“Jackie”

“La la land: cantando estações”

 

LONGA DOCUMENTÁRIO:

“Fogo no mar”, de Gianfranco Rosi

“I am not your negro”, de Raoul Peck

“Life, animated”, de Roger Ross Williams

“O.J.: made in America”, de Ezra Edelman

“A 13ª Emenda”, de Ava DuVernay

 

EDIÇÃO DE SOM:

“A chegada”

“Horizonte profundo: desastre no Golfo”

“Até o último homem”

“La la land: cantando estações”

“Sully: o heroi do Rio Hudson”

 

MIXAGEM DE SOM:

“A chegada”

“Até o último homem”

“La la land: cantando estações”

“Rogue One: uma história Star Wars”

“13 horas: os soldados secretos de Benghazi”

 

ATRIZ COADJUVANTE:

Viola Davis, “Um limite entre nós”

Naomie Harris, “Moonlight: sob a luz do luar”

Nicole Kidman, “Lion: Uma jornada para casa”

Octavia Spencer, “Estrelas além do tempo”

Michelle Williams, “Manchester à beira-mar”

 

FILME ESTRANGEIRO:

“Terra de minas” (Dinamarca)

“Um homem chamado Ove” (Suécia)

“O apartamento” (Irã)

“Tanna” (Austrália)

“Toni Erdmann” (Alemanha)

 

CURTA DE ANIMAÇÃO

“Blind Vaysha”

“Borrowed Time”

“Pear Cider and cigarettes”

“Pearl”

“Piper”

 

LONGA DE ANIMAÇÃO:

“Kubo e as cordas mágicas”

“Moana: um mar de aventuras”

“Minha vida de abobrinha”

“A tartaruga vermelha”

“Zootopia”

 

DIREÇÃO DE ARTE:

“A chegada”

“Animais fantásticos e onde habitam”

“Ave, César”

“La la land: cantando estações”

“Passageiros”

 

EFEITOS VISUAIS:

“Horizonte profundo: desastre no Golfo”

“Doutor Estranho”

“Mogli: o menino lobo”

“Kubo e as cordas mágicas”

“Rogue One: uma história Star Wars”

 

EDIÇÃO:

“A chegada”

“Até o último homem”

“A qualquer custo”

“La la land: cantando estações”

“Moonlight: sob a luz do luar”

 

CURTA-METRAGEM:

“Ennemis intérieurs”, Slim Azzazi

“La femme et le TGV”, Timo von Gunten e Giacun Caduff

“Silent nights”, Aske Bang e Kim Magnusson

“Sing”, Kristof Deak e Anna Udvardy

“Timecode”, Juanjo Gimenez

 

CURTA DOCUMENTÁRIO:

“Extremis”

“4.1 miles”

“Joe’s violin”

“Watani: my homeland”

“The white helmets”

 

FOTOGRAFIA:

“A chegada”

“La la land: cantando estações”

“Lion: uma jornada para casa”

“Moonlight: sob a luz do luar”

“Silêncio”

 

TRILHA SONORA:

“Jackie”

“La la land: cantando estações”

“Lion: uma jornada para casa”

“Moonlight: sob a luz do luar”

“Passageiros”

 

CANÇÃO ORIGINAL:

“Audition (The fools who dream)”, de “La la land: cantando estações”

“Can’t stop the feeling”, de “Trolls”

“City of stars”, de “La la land: cantando estações”

“The empty chair”, de “Jim: The James Foley Story”

“How far I go”, de “Moana: um mar de aventuras”

 

ROTEIRO ORIGINAL:

“A qualquer custo”

“La la land: cantando estações”

“O lagosta”

“Manchester à beira-mar”

“Mulheres do Século 20”

 

ROTEIRO ADAPTADO:

“A chegada”

“Um limite entre nós”

“Estrelas além do tempo”

“Lion: uma jornada para casa”

“Moonlight: sob a luz do luar”

 

DIREÇÃO:

“A chegada”, Denis Villeneuve

“Até o último homem”, Mel Gibson

“La la land: cantando estações”, Damien Chazelle

“Manchester à beira-mar”, Kenneth Lonergan

“Moonlight: sob a luz do luar”, Barry Jenkins

 

ATOR:

Casey Affleck, “Manchester à beira-mar”

Andrew Garfield, “Até o último homem”

Ryan Gosling, “La la land: cantando estações”

Viggo Mortensen, “Capitão Fantástico”

Denzel Washington, “Um limite entre nós”

 

ATRIZ:

Isabelle Huppert, “Elle”

Ruth Negga, “Loving”

Natalie Portman, Jackie

Emma Stone, “La la land: cantando estações”

Meryl Streep, “Florence: quem é essa mulher?”

 

MELHOR FILME:

“A chegada”

“Um limite entre nós”

“Até o último homem”

“A qualquer custo”

“Estrelas além do tempo”

“La La Land: cantando estações”

“Lion: uma jornada para casa”

“Manchester à beira-mar”

“Moonlight: sob a luz do luar”

 

 

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter

Cristina Padiglione

Cristina Padiglione