Por Cristina Padiglione | Saiba mais
Cristina Padiglione, ou Padi, é paga para ver TV desde 1990, da Folha da Tarde ao Estadão, passando por Jornal da Tarde e Folha de S.Paulo
Minha novela

Próxima novela das seis engloba crise de 29 e chegada de Getúlio ao poder

Tony Ramos será o português José Augusto, figura essencial à trama.
Quando entrar setembro, assim que os idos do Brasil de Dom Pedro saírem de cena, às seis da tarde, um novo período histórico se instalará no horário, com salto de mais de um século no tempo. Assinada por Alcides Nogueira, com parceria de Bia Corrêa do Lago,  “Tempo de Amar” começa em 1927 e vai até a chegada de Getúlio Vargas ao poder, em 1930.

Pai de Bia, Rubem Fonseca é o autor do argumento que dá origem ao folhetim e empresta, de sua família, alguns tipos para inspirar a trama, a começar por José Augusto Correia Guedes, personagem de Tony Ramos.

Proprietário de uma quinta em Morros Verdes (aldeia fictícia no norte de Portugal), ele é descendente de antigos troncos portugueses e é a pessoa mais importante da região. Ficou viúvo ainda jovem e criou sua filha, Maria Clara (papel de Vitória Strada) com a ajuda da empregada Delfina (Letícia Sabatella).

Embora seja um conservador em muitos aspectos, José Augusto deu à filha uma educação bastante liberal para os padrões da época. Os dois têm uma relação bonita, mas entre tapas e beijos. Maria Clara também tem um pé na família de Rubem. Naturalmente, são ficcionados, dando aos autores amplas possibilidades de fugir da versão real.

Tony Ramos vinha fazendo certo suspense em torno do papel, justamente pelos cuidados referentes à interpretação de alguém que existiu, mas não chega a ser um personagem histórico, como se cogitou na ocasião do lançamento da série “Vade Retro”, quando ele falou a respeito do próximo trabalho. Sabia, naquela época, apenas que teria de aparar um pouco os fartos cabelos, pouco acima da nuca.

Embora não chegue a ser uma figura da história conhecida do Brasil, José Augusto é personagem vital para a novela de Alcides, o Tide, como é tratado entre amigos e equipe. Em determinado momento, José Augusto virá para o Brasil, mais especificamente para o Rio, envolvendo-se com vários personagens – principalmente com Madame Lucerne (Regina Duarte), dona da Maison Dorée, o cabaré mais prestigiado do Rio.

O elenco conta também com Sabrina Petraglia, Bruno Cabrerizo, Andreia Horta, Cássio Gabus Mendes, Bruno Ferrari, Giovanna Lancellotti e Débora Nascimento.

Assim como acontece em “Novo Mundo”, “Tempo de Amar” também prevê participações de figuras marcantes da História do Brasil, como personagens da República Velha e da classe artística da época. O enredo se passa, afinal, poucos anos após a Semana de Arte Moderna de 1922.

A crise de 29 também ser fará presente, afetando parte do núcleo do Rio – fazendeiros produtores de café.

A ideia é fechar o folhetim justamente com a chegada de Getúlio Vargas ao poder.

Pois então senta, que lá vem história.

A direção artística será de Jayme Monjardim.

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter

Cristina Padiglione

Cristina Padiglione